domingo, 27 de novembro de 2011

Perdi o fio
como uma faca velha perdida na gaveta.

Não faço medo.
Nem tampouco cumpro meu destino.

Rasgo a carne dolorosamente, demoradamente
Cega. Imprecisa.

No entanto,
peso no braço que me segura
Sem direção,
corto a mão.

Sigo um instinto nato que não se perdeu no tempo.
Golpeio o ar, sem rumo
Mantenho o punho fora do prumo

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Fakelook

Corro para pensar no que estou pensando agora
e publicar uma frase rasa nesse meu rosto fantasmagórico que se mostra em um espelho descascado.
Daqueles mesmo, manchados pela falta do reflexo. E do uso excessivo e demorado.
Do outro lado dessa moldura vazia
ninguém repara.
As palavras são apenas maquiagem derretida no meio do dia sem calor.

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

INSÔNIA




Há um cansaço antigo sobre todas as coisas novas.
De ombros rijos e vergados meu olhar percorre o mundo.
O estalido do  velho assoalho  ainda  me causa espanto.
O grito escapa antes mesmo do susto.
Há rugas flácidas encapsuladas nas faces novas dos outdoors.
Cá estou eu. Debaixo do mesmo sol.
A sombra é pouca.
Não há alívio para a sede que me consome.