sábado, 16 de outubro de 2010

Naturalidade

 
O sabor do exílio amarga as papilas
e a saudade aperta o quanto pode.
Os rostos insistem em aparecer
e os pensamentos não dispersam.

Quanto vale cada dia longe de você?

Vejo meus filhos herdando esta dor
Minhas cicatrizes abertas no tempo
 que passa aqui tão fria e vagarosa
 enquanto a vida lá revigora e voa.

Quanto vale cada dia longe de você?

A dança dos anseios me deixa sem par
A luta, o luto, a ganância e o amor
Fuga incessante do seu entardecer
Meu querido jardim sem a mais bela flor.

Quanta vida cada vale rouba-me de você?

Um comentário: