quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Não quero nenhuma palavra que preste. Procuro a outra, mais suja de vida.

Viagem

Arranjei um segredo e uma fita vermelha.
Embrulhei toda a vida em um pedaço de pano.

Mandei matar a fome
mandei servir assada.

Mandei tomar um porre
mandei jogar pelada.

Mandei ouvir o vento
andar nu de madrugada.

Mandei voar sem asas
e cair em disparada.

Saí como rainha, em busca de quase nada.