quarta-feira, 1 de maio de 2013

Beleza

Acolho o dia como quem colhe uma flor
Como quem sorve aos poucos
o remédio amargo na pontinha da colher.
Lembrança de mãe, de febre quente.
O sol esturricando rancores,
Tostando os amores lá fora.

O dia murcha como a flor sem vida
enfeitando um copo qualquer.

Para essa dor sem cura não há remédio.
Recolho o que sobra de perfume e cor.
Há febre ainda em minhas mãos  frias.

Acolho a dor
e durmo em paz.
A manhã é nova
e a flor.



Nenhum comentário:

Postar um comentário