Pular para o conteúdo principal

Valsa






Já nasceu ferida
ali. bem na beiradinha do mundo.
Ninguém a queria, menina.

Aprendeu a tomar o que sempre foi seu.
Com unhas e dentes, literalmente.

Cresceu destemida.
Achava que era bonito ser feliz.
Andar de batom.

No grito,
no muque,
no chute no peito.
Tomava alegria, achava que dava, se fosse bem forte.

Ferida de morte
De blush e perfume
Com pernas bonitas
Não mais de catorze.
Pegava na marra: os homens, as honras, a fama e a glória.
Seu nome era forte. Batia na morte e vencia: todos os dias.

Santa, flor, menina.
Eram nomes que ela não tinha.
Outros, mais duros, mais fortes, mais sujos, eram os que melhor lhe cabia.

Se queria, beijava
porque senão, batia.
Vendia prazer, sempre no fim do dia.

Seu seio perdido na palma da mão
nunca foi peito de leite tão branco

Pele quente de seda.

Menina mulher perdida e achada
nem flor, nem pecado. Já era da vida.
Gostava da vida,  quem disse que não?

Vítima nada,
Ovelha desgarrada, gostava assim.
Negra ovelha, nessa brancura sem fim.

Achava bonito ser feliz.
E não era má.


Um dia, bonita, no meio do salão.
Ele que não a conhecia, a pegou pela mão.
Dançou orgulhoso, olhou em seus olhos,
falou com carinho, baixinho.
Beijou-lhe a boca, tão suja, tão velha de tantos pecados.
Lavou-lhe a alma sem compaixão.
Bailaram, bailaram.
Beijaram-se sem exceção.
A cabeça no ombro de frágil idade.
Ele não sabia que não podia.
Que ela era da vida. Não era pra casar.
Ela, arrebatada, entregava-se noiva, sem saber.

E aquela noite, aquela música. Congelaram no corpo a palavra que mata.

Até que o baile acabou.

Comentários

  1. Que lindeza de narrativa, Ana! Para mim, um conto de fadas. Fiquei querendo conhecer a protagonista.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Andreia Skackauskas29 de março de 2012 16:53

    Ana, nessa loucura de escrever a tese quero resolvi reservar um tempo (por menor que seja) para rever amigos, mesmo que seja pelo Facebook, e ler coisas que me façam sair um pouco da tortura acadêmica! E eis que me deparo com essa linda narrativa! Posso colocá-la na minha tese???

    bjo,
    Andreia

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

História de avó

Uma mulher, uma casa uma casa e um jardim e a eternidade.
Nós não somos o que fomos. Somos aquilo que ficou de nós e se perpetua.
Uma mulher, uma casa uma casa e um jardim e a eternidade.
A mulher que está nas filhas a mãe que está nas filhas a avó o exemplo
Sua humanidade tão latente pulsa na falta do colo, no olhar duro, na palavra calada e que por isso ecoa ainda hoje.
A mãe que foi a mãe que queriam.
A mulher que queria ser e a que não teve escolha.
Quem há de saber se chorou? O quanto amou? Se foi feliz? Se fez o que quis Se não quis.
Ela são muitas. Quem saberá contá-las? E quem sou eu para dizê-las?
Sei dizer da que ficou. Da quitanda fresca e cheirosa do fogão vivo do trabalho Sei falar do vestido novo das tramas do bordado dos nozinhos do crochê (quem me dera saber dos pensamentos que os teceram)
Sei falar das palavras que os filhos lhe adivinharam e agora proferem. Sei falar dos dons herdados dos recheios, da mesa farta, da família em volta das colchas, dos botões, das …

A tela

Dentro da tela, a tela
e atrás.
antes e depois do olho.
do meu olho,
do seu olhar.

Quantas são todos os dias?
O que me veem?
te falo, me fala, nos fala, falamos dela.
No almoço
no copo de café
enquanto durmo, ao meu lado ressona, sussurra imagens deslizantes loucamente coloridas que me invadem os ouvidos, os sentidos
Que sentido faz?

Que sentido faz,
se a tela me ocupa o colo do filho
que mama os flashs loucos desvirtuados?
E não me cobra mais meus mimos?

Ela me faz companhia
me distrai na insônia
me desperta de manhã
É meu espelho
meu guru.
É meu guri.

Foi feita para bastar-se-me.

Mas eu vejo um buraco negro ameaçando essa relação.