sexta-feira, 4 de novembro de 2011

INSÔNIA




Há um cansaço antigo sobre todas as coisas novas.
De ombros rijos e vergados meu olhar percorre o mundo.
O estalido do  velho assoalho  ainda  me causa espanto.
O grito escapa antes mesmo do susto.
Há rugas flácidas encapsuladas nas faces novas dos outdoors.
Cá estou eu. Debaixo do mesmo sol.
A sombra é pouca.
Não há alívio para a sede que me consome.

6 comentários:

  1. Ana,

    o grilo é mesmo uma das sementes da insônia.

    As imagens do poema são altamente convincentes.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. lindo ... um poema que nos mantém acordado...

    ResponderExcluir
  3. oi Ana
    gostei muito do seu espaço
    e ainda mais de seus poemas

    estamos juntos nesta insone jornada

    abs

    ResponderExcluir
  4. Muito bom o teu blog Ana, poesia é a linguagem da alma...bjusssssssss

    ResponderExcluir
  5. poema com aquela profundidade
    que inquieta os olhos
    ...

    Abraço carinhoso.

    ResponderExcluir
  6. Ei, Ana. O Tertúlia que a levou também me traz. Bonito o seu escrito.Esse poema parece comigo, é como se olhássemos por uma mesma janela. Tenho alguns que são de fato muito parecidos. Sina de aluno de letras, Filosofia ou destino? Sucesso, sempre!

    ResponderExcluir