Pular para o conteúdo principal

INSÔNIA




Há um cansaço antigo sobre todas as coisas novas.
De ombros rijos e vergados meu olhar percorre o mundo.
O estalido do  velho assoalho  ainda  me causa espanto.
O grito escapa antes mesmo do susto.
Há rugas flácidas encapsuladas nas faces novas dos outdoors.
Cá estou eu. Debaixo do mesmo sol.
A sombra é pouca.
Não há alívio para a sede que me consome.

Comentários

  1. Ana,

    o grilo é mesmo uma das sementes da insônia.

    As imagens do poema são altamente convincentes.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. lindo ... um poema que nos mantém acordado...

    ResponderExcluir
  3. oi Ana
    gostei muito do seu espaço
    e ainda mais de seus poemas

    estamos juntos nesta insone jornada

    abs

    ResponderExcluir
  4. Muito bom o teu blog Ana, poesia é a linguagem da alma...bjusssssssss

    ResponderExcluir
  5. poema com aquela profundidade
    que inquieta os olhos
    ...

    Abraço carinhoso.

    ResponderExcluir
  6. Ei, Ana. O Tertúlia que a levou também me traz. Bonito o seu escrito.Esse poema parece comigo, é como se olhássemos por uma mesma janela. Tenho alguns que são de fato muito parecidos. Sina de aluno de letras, Filosofia ou destino? Sucesso, sempre!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A tela

Dentro da tela, a tela
e atrás.
antes e depois do olho.
do meu olho,
do seu olhar.

Quantas são todos os dias?
O que me veem?
te falo, me fala, nos fala, falamos dela.
No almoço
no copo de café
enquanto durmo, ao meu lado ressona, sussurra imagens deslizantes loucamente coloridas que me invadem os ouvidos, os sentidos
Que sentido faz?

Que sentido faz,
se a tela me ocupa o colo do filho
que mama os flashs loucos desvirtuados?
E não me cobra mais meus mimos?

Ela me faz companhia
me distrai na insônia
me desperta de manhã
É meu espelho
meu guru.
É meu guri.

Foi feita para bastar-se-me.

Mas eu vejo um buraco negro ameaçando essa relação.


História de avó

Uma mulher, uma casa uma casa e um jardim e a eternidade.
Nós não somos o que fomos. Somos aquilo que ficou de nós e se perpetua.
Uma mulher, uma casa uma casa e um jardim e a eternidade.
A mulher que está nas filhas a mãe que está nas filhas a avó o exemplo
Sua humanidade tão latente pulsa na falta do colo, no olhar duro, na palavra calada e que por isso ecoa ainda hoje.
A mãe que foi a mãe que queriam.
A mulher que queria ser e a que não teve escolha.
Quem há de saber se chorou? O quanto amou? Se foi feliz? Se fez o que quis Se não quis.
Ela são muitas. Quem saberá contá-las? E quem sou eu para dizê-las?
Sei dizer da que ficou. Da quitanda fresca e cheirosa do fogão vivo do trabalho Sei falar do vestido novo das tramas do bordado dos nozinhos do crochê (quem me dera saber dos pensamentos que os teceram)
Sei falar das palavras que os filhos lhe adivinharam e agora proferem. Sei falar dos dons herdados dos recheios, da mesa farta, da família em volta das colchas, dos botões, das …