Pular para o conteúdo principal
Volto à estaca zero
toda vez que apago uma linha.

O sentimento se veste, mas desiste.
Em dúvida, me pergunta se deve usar preto,
acessórios,
se o amarelo combina  com esse clima tão frio.
Me pede a roupa emprestada.
Dou palpites, digo que está ótimo assim.

Mas o que sinto é caprichoso
Faz birra e volta para a cama.
Hoje não vai sair.

Enquanto isso...
fico eu aqui.

A poesia espera demais de mim.

Comentários

  1. Ana,

    a poseia espera demais de vc porque poesia espera só demais de quem lhe pode ofertar algum presente peculiar.

    A transpiração e a inspiração são como um casal lobos raivosas de alcateias distintas, que vem por outra têm que copular, mas ficam se cheirando nas intimidades, esperando um momento de fraqueza do outro.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Poesia quando resolve voltar ao armário e escolher novas vestes é sinal que vai ter chuva de estrelas... E já caiu uma aí!

    Beios, Ana!

    ResponderExcluir
  3. Volto à estaca zero
    toda vez que apago uma linha.
    perfeito....

    ResponderExcluir
  4. Ana, belo poema. Como diria o Drummond:

    "Lutar com palavras é a luta mais vã. Entanto lutamos mal rompe a manhã. São muitas, eu pouco. Algumas, tão fortes como o javali. Não me julgo louco. Se o fosse, teria poder de encantá-las. Mas lúcido e frio, apareço e tento apanhar algumas para meu sustento num dia de vida. Deixam-se enlaçar, tontas à carícia e súbito fogem e não há ameaça e nem há sevícia que as traga de novo ao centro da praça"

    ResponderExcluir
  5. Ana,

    visitando pela primeira vez e já encontrando um belo motivo para retornar...

    Abraços, bons caminhos!

    ResponderExcluir
  6. Belíssimo, Ana. Beijos.
    Sidnei

    ResponderExcluir
  7. Ana que sensibilidade! Vou transmitir aos meus alunos suas palavras...Mas uma vez você consegue me emocionar. Obrigada bjss Jú

    ResponderExcluir
  8. "A poesia espera demais de mim"

    Que belo! Primeira vez que vim por aqui...voltarei outras vezes,certamente!
    Aproveito e te convido a conhecer meu espaço. Serás bem vinda, moça. Beijo =)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

História de avó

Uma mulher, uma casa uma casa e um jardim e a eternidade.
Nós não somos o que fomos. Somos aquilo que ficou de nós e se perpetua.
Uma mulher, uma casa uma casa e um jardim e a eternidade.
A mulher que está nas filhas a mãe que está nas filhas a avó o exemplo
Sua humanidade tão latente pulsa na falta do colo, no olhar duro, na palavra calada e que por isso ecoa ainda hoje.
A mãe que foi a mãe que queriam.
A mulher que queria ser e a que não teve escolha.
Quem há de saber se chorou? O quanto amou? Se foi feliz? Se fez o que quis Se não quis.
Ela são muitas. Quem saberá contá-las? E quem sou eu para dizê-las?
Sei dizer da que ficou. Da quitanda fresca e cheirosa do fogão vivo do trabalho Sei falar do vestido novo das tramas do bordado dos nozinhos do crochê (quem me dera saber dos pensamentos que os teceram)
Sei falar das palavras que os filhos lhe adivinharam e agora proferem. Sei falar dos dons herdados dos recheios, da mesa farta, da família em volta das colchas, dos botões, das …

A tela

Dentro da tela, a tela
e atrás.
antes e depois do olho.
do meu olho,
do seu olhar.

Quantas são todos os dias?
O que me veem?
te falo, me fala, nos fala, falamos dela.
No almoço
no copo de café
enquanto durmo, ao meu lado ressona, sussurra imagens deslizantes loucamente coloridas que me invadem os ouvidos, os sentidos
Que sentido faz?

Que sentido faz,
se a tela me ocupa o colo do filho
que mama os flashs loucos desvirtuados?
E não me cobra mais meus mimos?

Ela me faz companhia
me distrai na insônia
me desperta de manhã
É meu espelho
meu guru.
É meu guri.

Foi feita para bastar-se-me.

Mas eu vejo um buraco negro ameaçando essa relação.