Pular para o conteúdo principal

Carta de um passageiro que nunca será lida pela sua mãe

Querida mãe,

eu não volto para casa hoje,
tenho que voar nas asas pesadas do destino;
quem sabe amanhã quando ele à tua porta bater,
possamos nos reencontrar.
Mãe, diz à ela que não vamos nos casar,
que as lágrimas hão-de pingar todos os dias,
cada vez menos até ao doce olvidar;
as suas eu sei que vão escorrer sempre bem devagar,
pois não há cicatrizes que as detenham
e não existe divórcio no matrimónio materno
esta lágrima invisível, que não precisa de lenços,
que se mostra na ruga do verso
do verbo interrompido,
na falta de acção,
da impotente lágrima do transparente e rotundo não.
Mãe, não deixe que eu seja apenas um bilhete de identidade,
lápide com rosto oficial
desarrume o meu quarto,
pinte as paredes de amarelo;
que a luz entre,
que a poluição e o ruído se instalem,
convide os amigos, os meus e os seus,
mas fique a sós comigo apenas quando estiveres a sós contigo
afinal, o que mais somos
senão reflexo do nosso umbigo?
Cordão invisível do hereditário,
deus dos calabouços,
do olho por olho e do atirar a primeira pedra,
nunca o primeiro afecto ou o primeiro beijo.

Querida mãe,
por favor não responda a esta carta.

com amor, para sempre... seu filho

(texto escrito em 11 de Setembro de 2001, poucas horas depois
do atentado às Torres Gêmeas, de Ozias Filho, inédito)


GUERRA SANTA

Para garantir um lugar no céu
e gozar da vida eterna,
em nome de Deus
Instala-se
o inferno aqui na terra
?

Ana Ribeiro

Comentários

  1. Adorei teu questionamento, Ana!!!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Prezada Ana. O vermelho do 9/11 choca-me até hoje!! Emoção não tem tempo! Não foi um bom dia!!Um bom abraço.

    ResponderExcluir
  3. obrigado Ana pela publicação do meu texto e pelo questionamento do seu texto! Fique bem!

    ResponderExcluir
  4. amei seu blog, você é muito inteligente!
    beijos

    ResponderExcluir
  5. A carta é muito emocionante e me instigou a ir conhecer o blog do autor.
    O seu arremate completou com perfeição a intenção do post.
    Menina, cheguei aqui por causa de um comentário seu no blog do Lacaio da Poesia... apenas uma palavra, mas a palavra perfeita. Adoro gente criativa, inteligente e sensível.
    Te convido a conhecer meu blog.
    Beijokas e uma linda semana pra vc.
    Seguindo...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

História de avó

Uma mulher, uma casa uma casa e um jardim e a eternidade.
Nós não somos o que fomos. Somos aquilo que ficou de nós e se perpetua.
Uma mulher, uma casa uma casa e um jardim e a eternidade.
A mulher que está nas filhas a mãe que está nas filhas a avó o exemplo
Sua humanidade tão latente pulsa na falta do colo, no olhar duro, na palavra calada e que por isso ecoa ainda hoje.
A mãe que foi a mãe que queriam.
A mulher que queria ser e a que não teve escolha.
Quem há de saber se chorou? O quanto amou? Se foi feliz? Se fez o que quis Se não quis.
Ela são muitas. Quem saberá contá-las? E quem sou eu para dizê-las?
Sei dizer da que ficou. Da quitanda fresca e cheirosa do fogão vivo do trabalho Sei falar do vestido novo das tramas do bordado dos nozinhos do crochê (quem me dera saber dos pensamentos que os teceram)
Sei falar das palavras que os filhos lhe adivinharam e agora proferem. Sei falar dos dons herdados dos recheios, da mesa farta, da família em volta das colchas, dos botões, das …

A tela

Dentro da tela, a tela
e atrás.
antes e depois do olho.
do meu olho,
do seu olhar.

Quantas são todos os dias?
O que me veem?
te falo, me fala, nos fala, falamos dela.
No almoço
no copo de café
enquanto durmo, ao meu lado ressona, sussurra imagens deslizantes loucamente coloridas que me invadem os ouvidos, os sentidos
Que sentido faz?

Que sentido faz,
se a tela me ocupa o colo do filho
que mama os flashs loucos desvirtuados?
E não me cobra mais meus mimos?

Ela me faz companhia
me distrai na insônia
me desperta de manhã
É meu espelho
meu guru.
É meu guri.

Foi feita para bastar-se-me.

Mas eu vejo um buraco negro ameaçando essa relação.