sexta-feira, 22 de julho de 2011

Piedadezinha Qualquer


A saudade tem itinerário. Som, sabor, cheiro.
A saudade tem um rosto imaginário, e fala com língua própria.
Na cidadezinha, Piedadezinha de que agora me lembro, habitavam seres que somente posso avistar quando recordo seus odores, e se minha língua roça a textura das rosquinhas, do pão de queijo, da rosca de fermento, do biscoito de polvilho que escuto desmanchar-se junto com  minha saliva  e a chuva no telhado  a embalar meu sono nas noites sem luz elétrica.  Meus olhos me traem e de suas imagens, e de seus nomes, somente me recordo, naquele sotaque próprio daquelezinho meu lugar.
Padrintião, Tialica, Bastião Jorge, Samaria, Fuso, Padijair: somente podem continuar existindo porque se tornaram palavras. Essas pessoas só existem assim, com esses nomes. Minha lembrança só os compreende e os reconstrói se chamados assim. É a língua que minha memória fala e que meu presente entende.
A farmácia do Sô Taíde, com seus tubos, vidrinhos, vidrões, líquidos coloridos que mais pareciam poções mágicas.
Na esquina da “rua do meio”, a venda do Totonho. Pasmem: O Bataclã. Ainda sinto o cheiro do açúcar exposto em um saco umedecido e melado,  enrolado na boca, aroma que se misturava ao do café moído na hora, do fumo de rolo e da cachaça. No Bataclã se achava de tudo: até calcinha para menina moça.
Do outro lado, logo em frente, a grande loja do Zé Sirvino com seus balcões imponentes, piso de granito, seus tecidos e sapatos maravilhosos. A meus olhos de criança, um pedaço da cidade grande ali, tão deslocado. A entrada do porão, fechada com portão de vidro gradeado, sob o degrau da porta da frente da loja, mexia com minha imaginação. Sempre quis enxergar através do vidro fosco em que dimensão ia dar aquela passagem. A construção de dois andares parecia um palácio - rodeada por  casinhas já envelhecidas, desbotadinhas - naquela pequena vila, com suas ruas empoeiradas que desciam em desvãos imensos e acabavam em planícies gramadas, onde eventualmente se armava uma tenda de circo. E aí  era festa. A festa da minha noite de criança que só nesses dias podia durar até nove horas.
A casa grande da Marinácia, quitandeira de primeira e seu marido prático, Gerado'Stevo, de quem me lembro em meus delírios febris da infância. A injeção guardada no estojo de aço inoxidável, cujas agulhas eram esterilizadas na hora do uso em água de fervura. Com seus  óculos na ponta do nariz empurrava o tenebroso e enorme êmbulo para tirar o ar do percurso que o remédio faria. E já me doía uma dor antecipada por saber que não conseguiria escapar dos pulsos fortes do pai que me segurava.
A casa grande da Marinácia, em cuja calçada de pedra nos sentávamos à sombra, para fugir do sol do meio dia, após uma travessura qualquer e víamos passar tantos personagens que hoje me parecem mais figuras saídas de contos de fadas: Maneluca, Zico, Bitota... Paraná, Tião Pachola, Arcidi (Alcides) pé-de-pato... figuras encantadas, que viveram e morreram como quiseram, fazendo inveja aos lúcidos e justos e sérios. Há sempre Manelucas, Zicos, Bitotas, perambulando por essas antigas novas ruas de qualquer cidadezinha qualquer.
Posso sentir agora esses mesmos cheiros, o gosto quente da broa de fubá saindo do forno nas manhãs de sábado, o alto-falante  da igreja que já queria substituir o sino, me acordando nas manhãs de domingo, e eles me ajudam a  mapear esses caminhos que já não existem.
Corro para me sentar de novo naquelas pedras, nas pedras enormes da casa grande e fugir do presente cintilante que me cega a lembrança. A casa não está mais lá. Construíram uma esquina na calçada dos meus sonhos.


9 comentários:

  1. Que lindo, Ana! Consegui passear por aquelas ruas que tão pouco visitei. E que saudade me deu do circo!

    ResponderExcluir
  2. Muito bom! Me lembrou um texto do Abel Menezes que li há muitos anos atrás. Parabéns e grato pela relembrança!

    ResponderExcluir
  3. MUITO BOM!
    PARABENS.
    SAUDADES DE PIÉ.

    ResponderExcluir
  4. Muito bom! Me fez lembrar muita coisa de nossa cidade...
    Parabens.

    ResponderExcluir
  5. Silas, seja bem vindo e volte sempre!!!!

    ResponderExcluir
  6. Lembrei também da venda do Pai lá no Azeite. Também tinha aquele cheirinho do açúcar misturado ao do fumo de rolo e no teto pendurado, havia panelas de alumínio, penico, peneira, maria rosa e num balcão de madeira guardava-se pão, biscoitos e até armarinhos e aviamentos para costura. Almoçávamos lá por raras vezes num pratinho de plástico colorido no qual brigávamos para escolher a cor e sempre acompanhado de uma garrafa de tubaina da boa.

    ResponderExcluir
  7. Lindo!!

    Concordo plenamente com vc.. a saudade tem cheiro..

    Tb sinto saudades do céu mais lindo que vi.. da cidade onde nasci..
    até hj nunca vi outo igual!!

    Bj

    Ma

    ResponderExcluir
  8. Nossa, obrigado por me fazer lembrar, meu querido vô nascido e enterrado em Piedade, tias maravilhosas primos e primas que lá estão até hoje, molhando a terra com o suor da família. Como não lembrar de tarde e tarde correndo de ponta a ponta, do piedense a biquinha, das cachoeiras do Lozinho ao Azeite e por ai vai. Futebol e vólei todo final de tarde na antiga quadra da escola na frente do clube, fizeram uma coleção de amigos e amigas, sem falar de reveillons, natais, feriados e logico vários e vários CARNAVAIS...enfim lembranças belas e inesqueciveis, como eu baguncei naquele pedaço de chão.
    SAUDADES ETERNO DO MEU QUERIDO AVÓ!
    Em breve voltarei.
    Felipe Moura

    ResponderExcluir
  9. Um passeio sereno e sem muitos arroubos,contado em voz grave,pausada,sem nenhuma pressa de contar.De olhos fechados os passageiros apenas deslizam sentires no trem da memória.Você é muito boa mesmo nisso,cara Anamélia,e generosa por socializar.Aplaudo.
    Sula

    ResponderExcluir