sexta-feira, 8 de julho de 2011

Pedagogia (Quero não, moça)

Uma escola para uma vida melhor
um trabalho para uma vida melhor
um carro para uma vida melhor
um telefone,
uma casa,
uma roupa
um cargo
um título
uma preferência
dinheiro
Para uma vida melhor, uma outra língua.


Precisa ser mais
precisa ter mais
precisa saber mais
precisa ser melhor
maior!

Uma vida melhor nunca é a minha.

Quero não, moça.

Para que dar tanta volta
se o que quero mesmo é um quintal com flores
o pôr do sol
meus pés e filhos no chão?
Carece não
perder tanto tempo.

Me deixe ir gostar do que tenho.

6 comentários:

  1. Que delicadeza, Ana!!!
    Doce. Leve.
    À sua maneira de ver a vida...

    Lindo! Beijos.

    ResponderExcluir
  2. quero sim, moça: a sua poesia; um doce nesse mar de consumismo!

    ResponderExcluir
  3. ... é tão bom gostar
    do que se tem e do que ser quer
    Apreciar uma manhã com ânimo e fôlego
    - pegar em livros e soltar idéias.

    A fortuna sorri
    A dor se vai
    A vida flori, de um modo quase
    sempre estranho -
    para o outro

    nunca nada é perda de tempo:
    ler apostilas, artigos, notícias, blogs ou livros;
    brincar com meus sobrinhos;
    ouvir as estórias de meus pais;
    encontrar amigos para conversar e discutir por horas
    e horas que atravessam noites;
    ir caminhar no campo, em uma fazenda, e voltar cheio de carrapatos no inverno;
    aquecer pé com pé;
    assistir a uma comédia e gargalhar ao fim do dia;

    a busca é eterna e etérea - nunca satisfaz.

    ResponderExcluir
  4. Sem comentários de tão linda!
    Abraços
    Gisela

    ResponderExcluir
  5. Este poema é a história da minha vida Ana...

    ResponderExcluir