quarta-feira, 6 de abril de 2011

o Breu

A escuridão nos acolhe como um berço
Silencio que sussurra, aguça os sentidos, liberta a mente
O breu fala por si, impõe-se, contorna-nos.
O respiro sobe e os olhos vão às mãos
Cheira medo, descoberta, aflição, desejos
Provoca-nos vida, revida, susto!
Espreita-nos os calos, calo, mudo, refúgio.
O escuro engrandece qualquer centelha.
No preto a diferença se assemelha.
A maquilagem não diz mais nada
E o sorriso nasce antes na imaginação.

6 comentários:

  1. Uau!!! Belíssima imagem:"o escuro engrandece qualquer centelha". Gostei demais, Tiago.

    ResponderExcluir
  2. A luz da escuridão me acolhe,
    me cega,
    me guia.

    ResponderExcluir
  3. Lindo,simples, magico, as imagens do escuro se fizeram nitidas enquanto lia e me encantava com o poema, ritimado inteligente, perfeito.

    ... o sorriso nasce antes na imaginação!
    bravo!
    sucesso

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pelo blog. Andei dando uma visitadinha...rs e gostei muito de "Lacuna". Te achei no blog do Carpinejar. Beijoooo e ótima Páscoa.

    ResponderExcluir
  5. E o sorriso nasce antes na imaginação.
    =)

    ResponderExcluir