quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Navegar é preciso


No limiar revelador da mudança
Noite passa dia, todos os dias
Aurora tão longe do crepúsculo
E sonhos que fogem a realidade

As garças já não são as mesmas
quiçá os homens e suas crenças
Corrente forte, navio atracado
O mar convida sempre à avançar

Estações, flores, seca e chuva
Meu egotismo sobrevive soberbo
E estouros festejam o novo ano
Escuridão, luzes e tanta gente

Alento motriz de tantos tontos
Quem não se segura a oculta fé
Empacados mantêm nossos barcos
Esperança somente na bela maré

Nenhum comentário:

Postar um comentário