domingo, 22 de agosto de 2010

Eu: um delírio

Existir é absurdo.
Eu não existe mais - e o pão está na porta.
Eu não existe mais - e mais cinco refinarias construídas.
Eu não existe mais - e vão eleger novo presidente.
Eu não existe mais - e o sol está lá fora.
Eu não existe mais. Apenas ele agora. A terceira pessoa, referida. Vista de fora. Apenas ele existe, a palavra oca e murcha, o verbo, o que restou do eu (que foi?) ele também já agonizante.
Existir é absurdo. A poesia é absurda.
Se ao menos planta, bicho,  corpo reincorporado na terra.
Mas, não. Gente. Absurdo. Lacuna indissolúvel para outros eus, enquanto forem.
Eu não existe mais.
Eu: um absurdo.

(Adeus, Moreno: Lacuna indissolúvel. Dói.)

4 comentários:

  1. Existir é um desafio
    que se tece
    fio a fio...

    Angelina Oliveira

    ResponderExcluir
  2. Esta é a única poética absoluta, a que move o mundo: Poética do absurdo.

    Parabéns pelo blog.

    http://www.coracaopervasivo.blogspot.com/

    ResponderExcluir